25 de julho de 2005

Tempos livres?

Ou "tempos vai-chatear-para-outro-lado?"
Hoje nas notícias das 13 na RTP1 perguntaram a um miúdo porque estava ele no ATL ao que ele respondeu qualquer coisa como "a minha mãe não consegue aturar os dois lá em casa"!!!

Não tenho nada contra os ATL's porque para muitas famílias é o único local onde podem deixar os filhos enquanto trabalham.
Mas sei, porque sei mesmo, que muitos papás e mamãs usam os ATL's para além do tempo estritamente necessário.
Ou então inscrevem as criaturas em todas as actividades e mais algumas, desde as artes marciais à música, ao ballet, natação, esgrima, equitação, e sei lá que mais... Tudo serve de pretexto para ter os filhos mais umas horitas fora de casa, onde não chateiem.
Até já há centros de explicações que também servem de armazém, perdão, atelier, e onde até dão almoço às crianças...
Também já não há hiper que não tenha à entrada uma gaiolinha para deixar os putos enquanto os pais fazem as compras "descansados".
Ora eu acho que as crianças assistirem e participarem na tarefa das compras é uma boa oportunidade de educação: de lhes explicar que não se podem comprar todos os brinquedos que pedem porque também é preciso comprar arroz e fruta e batatas e peixe e carne...
De os deixar também "escolher" um produto que gostem porque fizeram por o merecer. Enfim, é uma boa altura para interiorizarem algumas regras de consumo...
Claro que tudo isto dá trabalho, mas quem não quer ter estes e outros trabalhos não tem filhos e pronto: assunto resolvido!

Agora vou contar duas historinhas:
História 1:
No dia da entrega das avaliações na minha escola uma mãe queixava-se "ai professora, já estou nervosa só de pensar que vou ter de aturar os três em casa. Não sei se aguento!"
Esta senhora é mãe de 3 filhos: a mais velha com 15, o do meio com 10 e a mais pequenina com 7.
Profissão da mãe: dona de casa.

História 2:
Aqui há tempos um professor de uma modalidade desportiva levou 5 ou 6 putos para um torneio.
Estava previsto que estivessem fora 3 dias, que era o tempo que o tal torneio durava.
Por tanto azar que, logo no primeiro dia de torneio, os garotos ficaram todos eliminados e regressaram a Aveiro.
O professor vai "fazer a entrega" e qual não é o seu espanto quando descobre que alguns pais tinham aproveitado a ausencia dos rebentos para ir passar uns dias ao Algarve!
Não sei todos os pormenores da história, mas sei que o professor, que nem filhos tem, se viu à nora para se ver livre dos filhos dos outros, tendo sido ainda confrontado com a indignação de alguns pais que achavam que ele tinha a obrigação de ficar com eles!

25 comentários:

Abelhinha disse...

Por favor Saltapocinhas, não chames a estas criaturas Mãe... chama progenitoras.

Beijinho

AnaCristina disse...

Que vergonha!
Anda uma pessoa a tentar engravidar há que tempos e depois vê-se MÃES que são assim...
Sinto-me envergonhada... (e não é nada comigo!)

Leonoretta disse...

Impressionante!
É sim senhora. Tal e qual como dizes. quando vejo um encarregado de educação com o nariz empinado só me apetece é dar-lhe com o apagador.

beijinho da leonor

Didas disse...

Eu até compreendo a mensagem do post. Agora que de vez em quando dá vontade de meter as pestinhas numa gaiolinha!... ai isso dá mesmo! :)
Ainda um dia destes vi um casal no Carrefour com um puto que berrava duma maneira!!! E eles, coitados, com ar de penitentes, lá iam aturando... e estavam de férias.

Agora só para a Leonoretta... um professor de nariz empinado também dá vontade ao encarregado de educação de ir buscar o apagador e lhe mandar com ele à mona. Dá para os dois lados! :)

PARTILHAS disse...

Olá Linda, Bom Dia,

De vez em quando escreves uns textos, que me derrubam, por completo...
Este é um deles.
Sou só Eu, o Besnico e o Cão... e eu tenho uma dificuldade doida de lidar com ele.
Estivemos uma semana de férias e essa semana, foi um caos, para mim. Terminava em fim de semana de Pai e eu estava mortinha, para o deixar com ele e conseguir descansar...
De conseguir estar algumas horas em silêncio. De conseguir deixar de me ouvir dizer, não faças isto, não faças aquilo, não batas no cão, come, vamos para o banho (50 vezes), ou de exasperar e desatar aos berros e ficar, passadinha de todo...

Toda a vida quiz ser Mãe... o instinto é lixado... Agora, dou muitas vezes comigo a pensar, se...

Não comento os do Algarve... se é mesmo assim...,
Agora a outra mãe, que fica louca com os três em casa... entendo e como entendo... e sinto-me horrivelmente mal, por ser assim, mas é... devo fingir? Dizer, que bom, ter os meus três anjinhos comigo... durante não sei quanto tempo, sem ter imaginação, ou dinheiro para os entreter em algo construtivo? Sem os querer por a trabalhar, mas sem dinheiro para os entreter...

E... quem o consegue... sem ficar mais cansado ainda, a meu ver, é mesmo uma Heroína!

BorboletaDeCanela disse...

Partilhas, como te entendo!!!
Abelhinha, talvez esteja enganada, mas talvez ainda não saibas bem o que tudo isto significa. Ser Mãe, às vezes também é desesperar, chorar baixinho porque se deixou de ser mulher, principalmente se estiveres sozinha nesse barco. Claro que depois olhas para os olhinhos dele e ele diz-te, mamã tás tão "bunita"... e claro, nada tem importância. Só ele.

António disse...

Pões a flecha no arco, estiras este, largas e ela lá vai veloz acertar mesmo no centro do alvo.
ah ah
Jinhos

Clitie disse...

Concordo contigo no aspecto do "largar" lá as crianças para poderem ter paz...Mas há os outos casos, aqueles que não têm outra solução.

Bjks grandes

P.S.- E as visitas estão esquecidas?... :-(

Abelhinha disse...

Borboleta de canela,

A Abelhinha é mãe e é sozinha! Sei bem do que se fala. Mas para mim é mais insurdecedor o silêncio da ausência do que o chinfrim da confusão.

Também desespero, também choro, também quero momentos a sós comigo mesma, e tiro partido deles quando acontecem, mas nunca desejei que ela não estivesse comigo.

Entendo muito bem esse "estás bunita mãe". Convido-te a visistar a minha colmeia... lá encontras muitos dos meusmomentos com o pedaço de mim mesma que é a minha filha, a filha mais linda do mundo

http://viagensemsilencio.blogspot.com

MWoman disse...

Comentários para quê?

Se ficam desesperados com dois ou três em férias adoraria vê-los com 25 dentro duma sala de aula...ó se gostaria!

Pronto, agora que já deixei também um bocadinho de "veneno" até vou um bocadinho mais aliviada.

Palavra que existe para ser usada: NÃO (que algumas crianças não conhecem e outras infelizmente conhecem bem demais!)
E muitas das "gaiolas" nem seriam precisas...bom, deixa-me ir que já estou a divagar...

Varela de Freitas disse...

Olha só as reacções!
O mundo mudou, minha amiga! Mães donas de casa ainda existem, mas mesmo para elas há mudanças. E quer gostemos ou não, a ideia de fazer da escola ou de outras instituições pontos de "recolha" de crianças estará presente em muitos por cento dos pais. O miudo que referes foi meridianamente claro... O episódio do professor (desculpa!) merece uma boa gargalhada e só depois se devem fazer os comentários ajuizados...
(Já agora, saíu hoje o Decreto-Lei 121/2005 que altera o Estatuto por que te reges. Mas pemso que nada do que lá vem te afecta, para já).

requiescatinpacem disse...

já eu acho que deviam por os putos na bancada, e os professores mais os encarregados de educação no ringue de lama!!!

assim sim!!!

despeço-me não sem antes mandar um beijo para a Didas Padeira!!

O Vizinho disse...

Agora que acabou a nossa "guerra" vim especialmente felicitar-te pelo honroso 2º Lugar e confessar-te que o teu nick tem mesmo muita pinta!
Não estivesse eu na corrida e teria feito campanha por ti.

Podemos ser amigos? (tu não vês mas... estou a fazer beicinho)

pauxana disse...

Por acaso vi a reportagem a que te referes logo no início do texto e também me chamou a atenção o comentário do miúdo. Realmente é triste a atitude de certos pais... estão tão habituados a que sejam outros a cuidar dos filhos deles que entram em pânico quando os têm em casa. Agora, é óbvio que para pais que trabalham é muito complicado ter os filhos em casa e saber onde os deixar para poderem estar descansados. No meu tempo o ATL era a televisão... nesse aspecto os miúdos de hoje têm sorte, desde que os pais tenham dinheiro, claro.

Carla disse...

É incrível... Se um dia eu for mãe, quero conseguir um emprego que me permita desfrutar ao máximo dos meus filhos. Ainda bem que não conheço muitos exemplos como os que referiste. Como alguém disse, não são pais, são progenitores. Um beijo grande.

Estrela do mar disse...

...hoje há festa na CLAVE...se puderes aparece...

Beijos.

aflores disse...

aiiiiiiii......e eu, em livros para o 10º ano(da GiraFlor) já gastei € 82,39 e ainda faltam 3(!!!!). O mês de Agosto "promete".

Gotinha disse...

Essa 2ª história do prof de E. F. é mesmo caricata..... impressionante!!!

Didas disse...

Mas cuidado Descansa Em Paz que eu sou muita feia!!! :)

afigaro disse...

Olha amiga, voltei!A tua persistênsia é inabalável.Continua, o teu público precisa da tua página.

Grilinha disse...

As tuas histórias (infelizmente verdadeiras) fazem-me sentir um nó na garganta. Que sentirão essas crianças ao verem-se confrontadas com essa situação?? .... que reflexos terá nas suas vidas futuras??!!!! Serei demasiado protectora dos meus filhos? Ainda hoje (adultos) estou em contacto diário com eles e dou volta aos seus quartos como se estivessem cá todos os dias. Será que aquelas mães não sentem culpa?? Há que lhes dar espaço mas não empurrá-los para o colo de estranhos.

Patinhas disse...

É só para dizer que o patinhas reabriu o estabelecimento no mesmo local da net
Espero ver-te por lá muito em breve
Fica bem

danirmartin disse...

A Saltapocinhas outra vez a dizer verdades...

E a verdade mais grande é a que disseste: se nao querem "ficar chateados" com os miudos, nao os tenham!

LA-C disse...

Parti-me a rir com essa dos putos no torneio e os pais no Algarve. Hilariante!

Culpa do professor que nao os treinou convenientemente. Serem todos eliminados no primeiro dia! Onde e' que ja' se viu tal coisa?

Cakau disse...

Há pais que não sabem reconhecer o milagre de o serem :|

Sem mais comentários...

Um beijo, Saltapocinhas! *