2 de maio de 2006

Os verdadeiros funcionários públicos

No jardim da minha escola havia uma planta muito perigosa: as folhas pareciam autênticas lâminas, afiadas e cortantes.

Então pedimos à Junta que enviasse alguém para a cortar.
Um dia veio um homem ver como era a planta para depois trazer as ferramentas necessárias à sua destruição.
Outro dia vieram dois.
Traziam uma ferramenta comprida tipo corta-sebes.
Um deles cortou a pobre plantinha, o outro apanhou as ramas do chão...
Depois lembraram-se da raiz que ia voltar a rebentar... mas não tinham trazido nenhuma enxada (ou será que faltava um terceiro homem??)

Chamam-me a perguntar se lhes arranjo uma enxada, mas na escola não há.
Faltam dez minutos para as 4 da tarde, a hora a que entra a funcionária, e eu prontifico-me a ligar-lhe pedindo que traga a dela.
"Ah, não vai dar... às 4 horas é a nossa hora de sair"

E saíram...

14 comentários:

Hindy disse...

É assim que os funcionários têm a fama que têm! Muitos deles têm realmente o proveito! :)

P.S.- Obrigada pela visita e pela força para os concursos, bem preciso dela! Bjs

Didas disse...

Eu sei que até mete impressão. Mas não é mal que ataque só a função pública!

eco de mim disse...

parece-me esta coisa dos serviços público nunca dá p/conjugar c nada... é a santa eficiência, é o q é! ;)

Caçadora disse...

Já te disse um milhão de vezes: MUDA-TE PARA A MINHA TERRA! Beijão

miguel disse...

Nada como estudar bem o caso antes de tomar acções!
Deviam ter criado uma comissão para estudar o assunto, antes de enviar o pessoal para o terreno!
Beijos,
Miguel

PN disse...

Aqui está um retrato caricato... E quando começam obras como quem faz omeletes primeiro pondo a frigideira ao lume e só depois partindo e batendo os ovos?

afigaro disse...

Esse problema já é velho. O problema está na gestão desse pessoal e na avaliação do trabalho feito diariamente, pelo mesmo.
O mais engraçado é que há dias, vi na TV, um sindicalista representativo do pessoal operário das autarquias sair em defesa das extinções das escolas porque precisavam desse tipo de trabalho. Como o trabalho deles se resumisse a esse tipo de trabalho. Depois, os sindicalistas queixam-se!

afigaro disse...

@desculpem lá:da não extinção...

Emiéle disse...

Fo das coisas que me fez impressão quando vivi em macau é que NUNCA vi uma pessoa a trabalhar e outra a olhar. Mas mesmo nunca. E em cada coisa que se fazia viam-se 10 trabalhadores mas tudo ficava pronto nun foguete. Na tua história talvez tivessem vindo logo 3 ou 4 homens mas a verdade é que cinco minutos depois não devia estar lá nem planta nem raíz, nem buraco mo chão, e a terra estava alisada, e quem sabe se plantada uma outra mais bonita.
:D
Mas, como disse o Figaro, a gestão desse pessoal é péssima. e a sua motivação nenhuma, porque mesmo que tivessem entrado às 8, mais um quarto de hora não os matava a trabalhar...

Emiéle disse...

Saltapocinhas, desculpa, só reli depois e é quase cada palavra cada gralha... Nem vale a pena corrigir! O sentido entende-se, não é?

sonia disse...

Oh, coitaditos dos senhores, devia estar na hora da "buchita".

sonia9 disse...

O ultimo comentário fui eu que mandei

SaltaPocinhas disse...

@@EMIELE: Tudo entendido...
E a raiz já foi tirada e já lá está um lindo arbusto. Tudo feito pelos golfinhos com a ajuda da Isabel a nossa auxiliar polivalente!

SaltaPocinhas disse...

@@ SONIA: Olá! Obrigada pela visita! Espero que seja a primeira de muitas!